Flagrantes em 24 horas - - - 5 am


Amanhece mais um dia e tudo é exatamente igual. Alguém entorna a concha com água para a moça realizar as abluções, costumeiras antes de ingressar em santuários xintoístas e recintos sagrados. Quatro flâmulas tremulam no céu, indicativo do quanto as xilogravuras ukiyo-e eram recheadas de pequenos enigmas: uma laranja com o ideograma uta 歌, de Utagawa 歌川, estúdio ao qual Kunichika pertencia; uma azul com o selo circular utilizado não somente por Kunichika, mas por seu mentor, Utagawa Kunisada 歌川国貞 (1786-1865); uma azul-escuro com dois caracteres arcaicos, referências ao autor dos versos em destaque e ao editor da série, cujo nome Gusokuya 具足屋 consta por extenso na bandeira azul-claro.

Em destaque, uma lanterna com a suástica budista. Mais especificamente, uma suástica invertida manji 卍, símbolo de prosperidade e boa sorte, também utilizada para indicar a localização de templos em mapas antigos. Tais lanternas eram dependuradas nos beirais das fachadas das casas de chá em Yoshiwara 吉原 durante as comemorações do festival dos mortos, no mês de julho. O conceito original surgiu em homenagem a Tamagiku 玉菊, prostituta de Yoshiwara por todos admirada que faleceu ainda jovem, aos 25 anos, em 1726, ocasião em que musicistas realizaram uma comovente apresentação e uma única casa de chá dispôs uma lanterna de papel vermelha sob o seu beiral, prática implementada pelas demais nos anos seguintes.

Ao fundo, a estrutura treliçada típica das fachadas dos bordéis, projetada para apresentar aos visitantes as garotas disponíveis.


Título: Gozen goji 午前五時

Série: Mitate chuya nijuyo ji no uchi 見立昼夜廿四時之内 (1890)

Artista: Toyohara Kunichika 豊原国周 (1835-1900)

4 visualizações

Posts recentes

Ver tudo