Os três chás


Era um dia quente de verão e Toyotomi Hideyoshi 豊臣秀吉 (1537-1598) atravessou os portões do palácio para praticar falcoaria. Galopava às margens do lago Biwa 琵琶湖 e, quando oportuno, sua ave mergulhava dos céus em busca de pássaros e coelhos.

Percorrer campos e colinas despertou sede no daimiô 大名, que ingressou em um templo budista.

“Alguém? Desejo chá”, sua voz reverberou.

Eis que um monge aprendiz surge para atendê-lo. Tratava-se de Ishida Mitsunari 石田三成 (1560-1600). O jovem encheu uma grande xícara de chá morno até a borda e serviu Hideyoshi, que tudo sorveu em um único gole.

“Muito bom. Traga mais”, ordenou.

O chá seguinte estava ligeiramente quente. Quando a sede é saciada, é preferível uma temperatura agradável à garganta. O volume, por sua vez, caiu pela metade. Admirado com tamanho zelo, o daimiô resolveu testar o monge.

“Outro.”

O terceiro chá foi servido fervente e em pouca quantidade, em uma xícara pequena e refinada.

“Extraordinário”, pensou Hideyoshi.

O daimiô levou o acólito consigo e o instruiu na arte da guerra, promovendo-o a comandante. Mitsunari revelou-se exímio no transporte de materiais e no deslocamento de tropas, na agrimensura e também na transferência de bens entre daimiôs.


A pessoa minuciosa realiza qualquer tarefa.

0 visualização