O patuá


Durante o período das guerras civis 戦国時代 (1467-1615), época em que o filho chorava e a mãe não via, o comandante Takeda Shingen 武田信玄 (1521-1573) estabeleceu seu quartel-general na província de Kai 甲斐国. Seu objetivo, o controle total da província vizinha, Shinano 信濃国.

No instante em que partiriam para o combate, um pombo pousou no galho de uma imponente árvore do jardim, o que fez os soldados emitirem exclamações de alegria.

“Qual a razão para tamanha festa?”, perguntou o comandante ao vassalo.

“O pombo, senhor. O fato dele pousar na árvore pressagia uma grande campanha. Trata-se de uma crença transmitida por gerações. Agora, os soldados estão convictos da vitória.”

Sem alterar a expressão, Shingen apanhou sua espingarda e abateu a ave.

“O que fez, senhor?! Nossa sorte se transformará em azar!”

“Consideremos que o pombo traga de fato bons augúrios. O que acontecerá caso ele não apareça na campanha seguinte? A moral das tropas despencará, e isso equivale à derrota. É preferível estar sempre treinado e pronto para a luta. Nisso reside o sucesso.”


Os exércitos sob o comando de Takeda Shingen eram os mais poderosos do seu tempo, uma força conquistada rejeitando superstições em prol da disciplina.

0 visualização