top of page

O pardal da língua cortada


CONTOS DE FADAS JAPONESES — O PARDAL DA LÍNGUA CORTADA


Certa vez, uma velha amarga como o remorso deixou goma de amido em um recipiente. Pretendia colocá-la nas roupas que lavaria na tina, porém o pardal de estimação da vizinha apareceu e comeu tudo. Só que a velha conseguiu apanhar a ave.

“Insolente!”, disse e cortou sua língua, libertando-o.

Ao saber do ocorrido, a vizinha partiu aflita com o marido para, juntos, percorrerem vales e montanhas em busca do bicho.

“Pardal! Pardal!”

Finalmente descobriram seu paradeiro. Quando a ave notou a presença do casal, pairou de felicidade, convidando-os a entrar para agradecer por toda gentileza e carinho a ele dedicados. Cobriu a mesa com saquê de qualidade e peixes frescos, no que contou com a ajuda da esposa pardal, dos filhos pardais e dos netos pardaizinhos. Horas depois, meio bêbado, executou uma típica dança do pardal.

Assim passaram o dia. Anoiteceu e, à menção de partir, a ave trouxe ao casal dois cestos de vime.

“Preferem o leve ou o pesado?”

“Somos de idade, preferimos o menor. Mais fácil de carregar.”

Ao chegar em casa, abriram o cesto. Ouro e prata, pedras preciosas, rolos de pura seda! O casal jamais concebera tamanho presente. Quanto mais tesouros retiravam, mais a cornucópia enchia. Do dia para a noite, tornaram-se ricos e prósperos.

Ao atinar o ocorrido, a velha amarga retorceu de inveja e perguntou à vizinha onde ficava a morada do pardal.

Que, da mesma forma, ofereceu à visita dois cestos de vime.

“Prefere o leve ou o pesado?”

Pensando em termos de proporção, a velha optou pelo maior, arrastando-os aos trancos e barrancos pelo caminho. Ao alcançar a residência e abrir a tampa, uma falange de horríveis demônios saltou do cesto e a estraçalhou.

18 visualizações

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page